Elizabeth Kenny, a enfermeira que desenvolveu a fisioterapia

Em uma pesquisa de 1951, ela derrotou Eleanor Roosevelt como a mulher americana mais admirada no mundo. Hollywood dramatizou sua história. 

Houve convites transatlânticos para palestras, diplomas honorários conferidos. Hoje, porém, a irmã Elizabeth Kenny é uma peça esquecida do quebra-cabeça da história.


Mas na década de 1940, quando os Estados Unidos foram atingidos pela epidemia de poliomielite, essa enfermeira australiana sem treinamento formal foi pioneira em um tratamento que contrariava a prática ortodoxa. 

A irmã Kenny foi amplamente ridicularizada pelo estabelecimento médico majoritariamente masculino, mesmo quando seus pacientes paralisados ​​se recuperavam. A controvérsia que ela provocou parecia alimentá-la ao longo de sua carreira.

Antes da descoberta da vacina Salk em 1953, epidemias recorrentes de poliomielite sobrecarregavam as comunidades com medo e pavor. Pólio, disse um dos pais, era “uma palavra que causa mais terror no coração dos pais do que a bomba atômica”.

“Eu estava totalmente despreparado para a atitude extraordinária dos médicos em sua prontidão para condenar qualquer coisa que cheirasse a reforma ou que fosse contrária aos métodos aprovados de prática.

Essa doença viral também foi chamada de “paralisia infantil” porque bebês e crianças geralmente eram as vítimas. Aqueles severamente afetados desenvolveram febre e dores no corpo, que progrediram para vários graus de paralisia em questão de horas ou dias. 

Nos casos mais graves, os pacientes sofreram danos nos nervos da medula espinhal ou do tronco cerebral e precisaram de um pulmão de ferro (uma versão inicial do respirador) para ajudá-los a respirar. 

As chances de recuperação eram sombrias: cinco por cento a 10 por cento dos pacientes com poliomielite paralisados ​​morreram, e até metade teve paralisia parcial persistente.

O tratamento convencional exigia talas e suspensórios para imobilizar membros paralisados. Os médicos acreditavam que o descanso protegia os membros danificados. O encurtamento muscular foi tratado por meio de cirurgia.

Entra a irmã Kenny. Uma freira ela não era. Em grande parte autodidata, ela ganhou experiência adicional como enfermeira no Serviço de Enfermagem do Exército Australiano durante a Primeira Guerra Mundial, servindo em navios de guerra. Promovida a “Irmã”, ela usou o título honorífico pelo resto de sua vida.

Trabalhando como “enfermeira do mato” na zona rural de Queensland, a irmã Kenny nunca tinha ouvido falar do tratamento estabelecido para a poliomielite. Baseando-se na observação aguçada à beira do leito, ela experimentou maneiras de aliviar a dor muscular e os membros contraídos de uma criança. 

Ela envolveu braços e pernas em panos de lã quentes e encorajou o movimento ativo dos músculos. Ela também fez com que seus pacientes aprendessem os nomes de seus músculos afetados e como eles funcionavam – encorajando-os a ter um papel ativo em sua recuperação.

Em 1933, a irmã Kenny estava convencida de que seus métodos funcionavam. Ela viajou por toda a Austrália e Inglaterra para demonstrar suas técnicas, mas bateu em uma parede; ela não tinha base científica para sua terapia. 

Ela lembrou em sua autobiografia de 1943, And They Shall Walk: “Eu estava totalmente despreparada para a atitude extraordinária dos médicos em sua prontidão para condenar qualquer coisa que cheirasse a reforma ou que fosse contrária aos métodos aprovados de prática”.

Mas a irmã Kenny aparentemente compensou com força de vontade tudo o que lhe faltava no treinamento médico formal. A Newsweek a descreveu, de forma pouco lisonjeira, como “um tornado humano”. 

Imponente e irascível, a irmã Kenny perseverou, chegando aos Estados Unidos em 1940 para apresentar seu controverso método a médicos e enfermeiros americanos. Médicos em Nova York e Chicago lhe mostraram a porta. 

Na Clínica Mayo em Minnesota, no entanto, o “Método Kenny” tornou-se amplamente aceito. Em 1942, o Instituto Irmã Kenny foi inaugurado em Minneapolis para tratar pacientes com poliomielite e continua sendo um importante centro de tratamento e pesquisa de reabilitação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like