Droga pode restaurar as memórias após uma lesão cerebral

Uma droga experimental poderia ter grandes implicações para pacientes com deficiências de memória causadas por lesão cerebral traumática (TBI).

Em testes, a droga conhecida como ISRIB restaurou completamente a capacidade de aprender e lembrar em camundongos com o cérebro ferido – mesmo os que foram tratados até um mês após a lesão.

Os resultados são contrários à maioria das pesquisas sobre trauma cerebral, que afirmam que os tratamentos devem ser realizados com urgência para preservar a função normal.

Embora os cientistas tenham tido alguns avanços recentes contrariando a perda de memória, o TBI tem sido mais difícil de quebrar.

Dezenas de tratamentos promissores falharam nos ensaios clínicos e não há terapias aprovadas disponíveis.

Atualmente, o TBI (comumente causado por acidentes, colisões, quedas e assaltos violentos) afeta cerca de 2 milhões de pessoas todos os anos nos EUA – isso se resume a uma pessoa a cada 21 segundos.

Além disso, lesões esportivas (como concussões) e combate militar são outras causas principais de TBI.

As preocupações com trauma cerebral levaram o exército americano a começar a trabalhar em algo que poderia detectar se uma explosão prejudicou o cérebro.

Como parte do último lote de testes, os pesquisadores injetaram ISRIB em ratos com o cérebro ferido para ver se ele melhoraria sua capacidade de encontrar o caminho para sair de um labirinto aquático.

Apesar de se esforçar em comparação com ratos normais, os ratos feridos rapidamente alcançaram a saída após serem administrados o medicamento.

E sua capacidade de aprender persistiu uma semana após sua última injeção.

Os cientistas estão chamando isso de surpreendente, ainda promissor, para começar.

Eles alertam que muitos outros testes devem ser realizados antes que o medicamento esteja pronto para ser submetido a ensaios clínicos em seres humanos.