Droga anti-envelhecimento pode eliminar células ‘zumbis’

Ensaios promissores em ratos abriram a possibilidade de melhorar a saúde e prolongar a vida em humanos.

A humanidade tem sido obcecada em ganhar a imortalidade por milhares de anos, mas mesmo apesar dos incríveis avanços na ciência e na medicina alcançados nos últimos séculos, nossa espécie ainda permanece tão vulnerável ao processo de envelhecimento quanto nossos ancestrais há milhões de anos.

Agora, porém, os cientistas encontraram uma maneira de prolongar a vida humana por meio de um coquetel de remédios para remover as células indesejadas “senescentes” ou “zumbis” do corpo. 

Estas células indesejáveis ​​são essencialmente vivas, mas perderam toda a função e são resistentes à morte. Seus números aumentam à medida que a pessoa envelhece e estão associados a várias doenças crônicas.

Ao remover essas células em camundongos usando uma mistura do medicamento do câncer dasatinibe e o quercetina pigmento vegetal, no entanto, os cientistas descobriram que a saúde e a função poderiam ser drasticamente melhoradas. 

“Este estudo fornece provas convincentes de que direcionar um processo fundamental de envelhecimento – neste caso, a senescência celular em camundongos – pode atrasar as condições relacionadas à idade, resultando em melhor saúde e vida mais longa”, disse Richard J. Hodes, diretor do Instituto Nacional do Envelhecimento. 

“Este estudo também mostra o valor da investigação de mecanismos biológicos que podem levar a uma melhor compreensão do processo de envelhecimento.” 

Embora ainda haja algum caminho a percorrer antes que os testes em humanos possam ser realizados, se esse ou outros tratamentos semelhantes puderem melhorar a saúde e a longevidade geral de uma pessoa, isso poderá fazer uma enorme diferença.

Também poderia ajudar a manter várias doenças relacionadas à idade por mais tempo.

Deixe seu comentário!