COVID-19 mata mais homens do que mulheres

O número de mortes e infecções causadas pela pandemia do COVID-19, espalhada pelo mundo, indica que os homens têm mais probabilidade do que as mulheres de contrair a doença e sofrer complicações graves ou críticas, se o fizerem.

Na Itália, uma análise de mais de 127.700 casos de COVID-19 constatou que 52,9% de todas as pessoas infectadas eram homens e 47,1% mulheres. Entre as primeiras 14.860 mortes da Itália, quase 68% eram homens.


Um relatório do Centro Chinês para Controle e Prevenção de Doenças descobriu que em um conjunto de dados de 44.672 casos confirmados, havia uma taxa de mortalidade de COVID-19 em 1,1% maior nos homens em comparação às mulheres.

“Há evidências crescentes de que os homens experimentam sintomas mais graves e têm uma taxa de mortalidade mais alta quando comparados às mulheres”, disse James Gill, especialista da Warwick Medical School.

Ainda existem muitas questões pendentes sobre o motivo pelo qual os homens são mais freqüentemente afetados pela infecção por COVID-19, mas os especialistas em saúde apontam para uma série de fatores possíveis.

Isso inclui riscos comportamentais e biológicos:

Especialistas dizem que uma influência pode ser que os homens, em geral, não cuidam de seus corpos tão bem quanto as mulheres – com níveis mais baixos de lavagem das mãos e higiene e níveis mais altos de tabagismo, uso de álcool, obesidade e outros comportamentos prejudiciais.

Em muitos países, as taxas de tabagismo são mais altas entre homens do que mulheres, e o tabagismo é um fator de risco conhecido para muitas outras doenças com risco de vida, como doenças cardíacas, pressão alta, doenças pulmonares e câncer.

O diferencial de sexo no tabagismo é particularmente acentuado na China, onde 50% dos homens fumam, em comparação com 5% das mulheres.

Na Itália, uma análise de 2018 descobriu que fumar era mais comum entre homens do que mulheres em todas as faixas etárias de adultos.

Outro fator é a força relativa das respostas imunes masculinas e femininas

Pesquisas mostram que a resposta imune ao longo da vida – desde vacinas e infecções a doenças autoimunes – é tipicamente mais agressiva nas mulheres do que nos homens.

Com o COVID-19, uma doença respiratória causada por um coronavírus, esse pode ser um fator particularmente significativo.

Philip Goulder, professor de imunologia da Universidade de Oxford, diz que vários fatores contribuem para mulheres com sistemas imunológicos mais agressivos, incluindo o fato de que as mulheres têm dois cromossomos X em comparação com o masculino, e que vários genes imunes críticos são encontrados no cromossomo X .

“Em particular, a proteína pela qual são detectados vírus como o coronavírus é codificada no cromossomo X”, disse Goulder.

Isso significa que essa proteína é expressa em duas vezes a dose em muitas células do sistema imunológico das mulheres em comparação aos homens, o que, por sua vez, pode estar aumentando a capacidade das mulheres em evitar o COVID-19.

Deixe seu comentário!