Corpo da Rainha Elizabeth I explodiu dentro do caixão

Sabemos que Elizabeth I morreu em seus aposentos privados no Palácio de Richmond. O palácio tinha pouco mais de 100 anos na época. 

Ele havia sido reconstruído em 1501 por seu avô, Henrique VII, após um incêndio desastroso que destruiu em grande parte o edifício em dezembro de 1497.


Situado na margem norte do Tâmisa, cerca de 16 quilômetros a montante de Westminster, possuía uma agradável envolvente, ‘estabelecida e construída entre diversas montanhas altas e agradáveis ​​num vale com belos campos, onde o ar é mais saudável.

Não é de admirar que Elizabeth tenha buscado refúgio lá quando sua saúde começou a falhar.

Os alojamentos privados tinham três andares e eram construídos em torno de um pátio central; os aposentos principais do monarca reinante, que incluíam os aposentos privados de Elizabeth, presume-se, ficavam no primeiro andar. 

Um relato, escrito 3-4 anos após a morte da rainha, vem de Elizabeth Southwell, uma dama de honra de 16 a 17 anos que atendeu a rainha durante os últimos dias de Elizabeth. Ela confirma que a rainha residia em sua ‘câmara privada’.

Elizabeth deixou claro que não desejava ser estripada após a morte (como seria de costume). 

No entanto, pouco depois da morte da rainha, Rober Cecil deixou ordens aos cirurgiões para fazê-lo, enquanto ia a Londres para proclamar Jaime VI o novo rei da Inglaterra. 

E assim a rainha foi embalsamada e seu corpo transferido para um caixão de madeira forrado de chumbo.

O corpo de Elizabeth jazia no palácio de Richmond (talvez na capela) por vários dias antes de ser transferido para uma barcaça e levado rio abaixo para o Palácio de Whitehall. 

Elizabeth Southwell descreve que o caixão, envolto em veludo, era vigiado todas as noites por “seis várias senhoras”. 

Nenhum local parece ser dado para os exéquias da rainha, mas, novamente, talvez possamos assumir com confiança que a capela teria sido o local mais apropriado.

Durante o período em questão, Southwell relata como houve um ‘crack’ alto do caixão quando o ‘corpo e a cabeça’ de Elizabeth se abriram devido às pressões dos gases liberados quando o cadáver apodreceu. 

Enquanto a força da explosão estilhaçou o ‘chumbo e a madeira de cerejeira’, as pessoas especularam sobre quão pior poderia ter sido se o corpo não tivesse sido aberto e estripado após a morte! 

Deixe seu comentário!

You May Also Like