Coronavírus no Brasil: é provável que você pegue o vírus

Os coronavírus são semelhantes aos vírus influenza, pois são ambos os filamentos únicos de RNA. Quatro coronavírus geralmente infectam humanos, causando resfriados. 

Acredita-se que eles tenham evoluído nos seres humanos para maximizar sua própria disseminação – o que significa pessoas doentes, mas não matadoras. 


Por outro lado, os dois novos surtos anteriores de coronavírus – SARS (síndrome respiratória aguda grave) e MERS (síndrome respiratória do Oriente Médio, denominada onde ocorreu o primeiro surto) – foram retirados dos animais, assim como o H5N1. 

Essas doenças foram altamente fatais para os seres humanos. Se houve casos leves ou assintomáticos, eram extremamente poucos. Se houvesse mais deles, a doença teria se espalhado amplamente. 

Por fim, SARS e MERS mataram menos de 1.000 pessoas.

O mundo respondeu com velocidade e mobilização de recursos sem precedentes. O novo vírus foi identificado extremamente rapidamente. 

Seu genoma foi sequenciado por cientistas chineses e compartilhado em todo o mundo em semanas. A comunidade científica global compartilhou dados genômicos e clínicos a taxas sem precedentes. 

O trabalho com uma vacina está bem encaminhado. O governo chinês adotou medidas dramáticas de contenção e a Organização Mundial da Saúde declarou uma emergência de preocupação internacional. 

Tudo isso aconteceu em uma fração do tempo necessário para identificar o H5N1 em 1997. E, no entanto, o surto continua a se espalhar.

No caso do COVID-19, a possibilidade (embora implausível) de impedir uma pandemia parecia ocorrer em questão de dias. A partir de janeiro, a China começou a isolar áreas progressivamente maiores, irradiando para fora da cidade de Wuhan e, eventualmente, encapsulando cerca de 100 milhões de pessoas. 

As pessoas eram impedidas de sair de casa e monitoradas por drones se fossem apanhadas do lado de fora. No entanto, o vírus já foi encontrado em 24 países.

Apesar da aparente ineficácia de tais medidas – em relação ao seu custo social e econômico desordenado, pelo menos – a repressão continua a aumentar. 

Sob pressão política para “parar” o vírus, o governo chinês anunciou que autoridades da província de Hubei iriam de porta em porta, testando pessoas em busca de febres e procurando sinais de doença, e enviando todos os casos em potencial para campos de quarentena. 

Mas mesmo com a contenção ideal, a disseminação do vírus pode ter sido inevitável. Testar pessoas que já estão extremamente doentes é uma estratégia imperfeita se as pessoas puderem espalhar o vírus sem se sentirem mal o suficiente para ficar em casa longe do trabalho.

No próximo ano, cerca de 40 a 70% das pessoas em todo o mundo estarão infectadas com o vírus que causa o COVID-19.

Itália, Irã e Coréia do Sul estão agora entre os países que relatam um número crescente de infecções por COVID-19 detectadas. 

Muitos países responderam com tentativas de contenção, apesar da eficácia duvidosa e dos danos inerentes à repressão historicamente sem precedentes da China. Certas medidas de contenção serão apropriadas, mas proibir amplamente as viagens, fechar cidades e acumular recursos não são soluções realistas para um surto que dura anos. 

Todas essas medidas têm riscos próprios. Em última análise, algumas respostas pandêmicas exigirão a abertura de fronteiras, não as fechamento. 

Em algum momento, a expectativa de que qualquer área escape dos efeitos do COVID-19 deve ser abandonada: a doença deve ser vista como um problema de todos.  

Deixe seu comentário!