Convento Beneditino de São João

O convento beneditino de São João em Müstair, no vale superior do cantão de Grisons na Suíça, é um testemunho excepcional de arte de uma civilização que desapareceu, a carolíngea.

É um dos exemplos mais coerente de arquitetura de conventos e pintura do período carolíngio e início da Idade Média.


Este convento foi, muito provavelmente, fundado por volta do ano de 780 pelo bispo de Chur a mando de Carlos Magno. Nota-se desde o início do século IX como sendo um estabelecimento de monges Beneditinos. Ele não foi um convento até o ano de 1163.

A construção mais importante do complexo monástico, incluindo os dois claustros, é a igreja, dedicada a São João Batista. Formado por um salão retangular simples, cerca de 20 metros de comprimento, ele é fechado ao leste de altura por três absides semi-circular, decorado no exterior por arcadas cegas.

Na igreja, a remoção do teto gótico (1908-9) e da cal (1947-1951) trouxe à luz importantes vestígios de afrescos que datam do período românico (aproximadamente 1150-1170) e, mais importante ainda, da época carolíngia.

Esta é, de fato, o local onde se encontra os mais importantes registros de pintuas que datam deste período, por volta do ano 800.

Estas pinturas figurativas (cenas do Antigo e Novo Testamento), de uma boa qualidade estética, pintadas em uma gama limitada de ocres, vermelhos e marrons, são posteriores aos afrescos de San Salvatore e Castelseprio em Brescia. Eles são particularmente importantes para a compreensão da evolução de certos temas da iconografia cristã, como o Juízo Final.

Os painéis são emolduradas com tiras pintadas de guirlandas e fitas, e culminam no topo de uma cornija de grandes dimensões que reproduz uma característica arquitetônica.

Infelizmente, o local sofreu danos consideráveis, tanto por causa das restaurações mal executadas como por causa da remoção dos trabalhos, o que provavelmente aconteceu entre 1165 e 1180, enquanto que os afrescos nas paredes laterais, com as histórias de David, foram removidos e colocado no Landesmuseum, em Zurique.

Outras obras de arte preciosas preservadas no complexo beneditino datam de séculos sucessivos: alguns do período românico são, além dos afrescos preservados na área da igreja inferior, a grande estátua em estuque pintado representando Carlos Magno (1165), localizado no coro, e na parede esquerda da sala uma pintura românica representando o Batismo de Cristo (1087).

Vista geral

Dentro das muralhas claustros do mosteiro são encontrados outros elementos anteriores, entre eles, em particular, na porção noroeste, a residência do bispo Norbert com a sua decoração notável de afrescos e estuques nas capela de dois andares advindos dos séculos XI e XII.

Durante os períodos gótico e barroco foram feitas grandes modificações em todo o complexo: duas fileiras de colunas dividem o interior em três naves, o teto original de madeira foi substituído por um teto abobadado; no exterior, no século XV, junto ao lado direito da igreja, uma torre forte com um plano de quadrados foi construída, uma casa na torre para a abadessa do convento.

Deixe seu comentário!