Construções em Marte terão que ser assim, dizem os cientistas

Se chegarmos a Marte, não seremos capazes de trazer tudo o que a humanidade precisa para ficar por um longo período de tempo – ou para construir colônias no planeta vermelho.

Para construir abrigos e fabricar ferramentas, os astronautas só precisam trazer um ingrediente-chave – os minerais do solo marciano sem vida podem fazer o resto, disse um novo estudo publicado na quarta-feira.


O ingrediente principal é a quitina – uma substância fibrosa que é um componente das paredes celulares dos fungos, dos exoesqueletos de crustáceos e insetos e das escamas de peixes e anfíbios.

A quitina poderia ser combinada com o solo superficial pelos primeiros colonos marcianos para fabricar um novo material sem equipamento especial e usando pouca energia, disseram pesquisadores da Universidade de Tecnologia e Design de Cingapura.

A quitina para uso em Marte, segundo o estudo, pode vir de insetos. Dado seu alto teor de proteína, os insetos poderiam fazer parte da dieta de uma missão tripulada. Os autores disseram que a extração de quitina seria um subproduto do abastecimento e consumo de alimentos da tripulação.

Para testar sua teoria, os cientistas combinaram a quitosana, um polímero orgânico feito de camarão, e um mineral projetado para imitar as propriedades do solo marciano.

O processo de fabricação usava água e alguma química básica. A água, disse o estudo, pode ser obtida de gelo subterrâneo em Marte. O hidróxido de sódio pode ser feito de solo marciano. E o ácido acético pode ser feito a partir da fermentação de microrganismos – como resíduos de alimentos.

“Parece concreto, mas muito mais leve. Rocha muito leve”, disse Javier Fernandez, professor assistente do SUTD e co-autor do estudo publicado na revista PLOS One.

Os pesquisadores então usaram o material para construir uma chave inglesa e um modelo de um habitat marciano, que eles disseram demonstrar que o material pode permitir a fabricação rápida de objetos como ferramentas básicas e abrigos rígidos.

A chave que os cientistas fizeram não era tão forte quanto uma feita de metal, mas Fernandez disse que atendia aos critérios da NASA para “aplicações espaciais não críticas”.

Fernandez descreveu a pesquisa como uma prova de conceito. A equipe não testou os itens em condições que imitavam a atmosfera fria e seca de Marte.

“Temos um caminho para … edifícios de fabricação e ferramentas de impressão 3D à fundição de molde com apenas um único material.”

Deixe seu comentário!