Como lidar com comportamento destrutivo no relacionamento

Seja através de flores, cartões, jantares especiais ou noites fora, é fácil reconhecer e celebrar um relacionamento significativo, especialmente quando é simples e gratificante.

No entanto, muitas pessoas estão em um relacionamento com comportamento autodestrutivo. Isso pode se manifestar como um distúrbio alimentar, abuso de substâncias, abuso de álcool, outros tipos de comportamentos de dependência, ou atos de auto-mutilação como corte ou machucado.

Ao se relacionar com isso, é possível que você tenha um desejo profundo e desesperado de “consertar” ou “mudar” o parceiro, na tentativa de ajudá-lo a parar o comportamento destrutivo.

Uma das coisas mais importantes é o fato de que não importa o quanto você ama alguém, você não tem o poder de fazê-lo desistir de um comportamento que não está disposto a renunciar.

E não importa o quanto o seu parceiro o ame, é extremamente difícil para ele abandonar um comportamento de autoflagelação que proporciona alívio a curto prazo ou uma sensação de entorpecimento ou auto-consolo.

Normalmente, o comportamento autodestrutivo é apenas o sintoma de problemas mais profundos, inexplorados e não resolvidos que não foram identificados, processados ​​ou curados.

Embora seja compreensível seu amor e preocupação em um esforço para “ajudar” o seu parceiro, seus sentimentos podem ser reconfigurados para ressentimento, frustração, raiva e impotência quando todas as suas tentativas, inevitavelmente, não funcionarem.

Esses esforços são sempre bem intencionados, mas muitas vezes são alimentados pelo desespero e pela ansiedade. Se o seu ente querido está entrincheirado em seu ato autodestrutivo, eles podem interpretar mal sua paixão em querer que eles sejam saudáveis.

Eles podem acusá-lo de não apoiar ou não entender suas necessidades e sua dor. Eles podem tentar racionalizar seus comportamentos à medida que procuram maneiras de justificar o que fazem.

É comum que as pessoas que se auto-prejudicam minimizem a seriedade de seu consumo excessivo de bebidas alcoólicas , drogas, compulsão alimentar, purgação, fome, corte ou outros comportamentos viciantes ou autodestrutivos.

Eles também podem subestimar ou até ignorar o impacto que suas ações exercem sobre eles e sobre seu relacionamento. Algumas pessoas estão em total negação sobre seus comportamentos, mesmo quando você tem evidências sólidas e objetivas que confirmam o que estão fazendo.

Não é estranho caso seu ente querido haja de maneira egoísta e até mesmo tente “proteger” suas ações mentindo para você.

NÃO:

  • Preocupe-se obsessivamente com os comportamentos do seu parceiro. Isso não tem impacto real em suas ações e pode emocionalmente, fisicamente e mentalmente esgotar você .
  • Tente motivá-los através da culpa dizendo coisas como: “Se você me amasse o suficiente, você pararia”. Isso sempre sai pela culatra e cria ainda mais culpa que pode alimentar o comportamento autodestrutivo.
  • Use vergonha ou humilhação na tentativa de mudar o comportamento do seu parceiro.
  • Tome suas ações pessoalmente. Não é sobre você, é sobre seus próprios problemas não resolvidos e dor.
  • Diga ao seu parceiro que eles estão “doentes” ou “precisam de ajuda”, pois isso pode torná-los ainda mais defensivos.
  • Ignore suas próprias responsabilidades ou o direito ao autocuidado para “encobrir” o parceiro e as conseqüências de seus atos autodestrutivos.
  • Assumir o papel de ser terapeuta do seu parceiro. Não é o seu trabalho, e você não poderia ter a objetividade para ser eficaz.

SIM:

  • Deixe seu parceiro saber que você os ama e se importa com o bem-estar deles.
  • Mostre compaixão, deixando-os saber que você entende a luta com a qual eles estão passando e como é desafiador se sentir livre de algo que eles consideram útil no curto prazo.
  • Diga ao seu parceiro que “eles merecem suporte”.
  • Comunique sua crença em sua capacidade de aprender novas maneiras de lidar e de se curar genuinamente com orientação profissional.
  • Seja claro que não é problema seu corrigir e que você não tem o poder de mudar outro ser humano.
  • Obtenha o suporte que você merece para processar com segurança quaisquer sentimentos legítimos que surjam para você e aprenda como definir e manter os limites apropriados.
  • Saiba que você tem o direito de terminar um relacionamento quando é abusivo insatisfatório, unilateral ou quando seu parceiro se recusa a fazer o que precisa para ser saudável.

Deixe seu comentário!