Clima extremo pode matar 150 mil por ano

Os cientistas alertaram que eventos climáticos extremos poderiam ser devastadores até o final do século.

No que foi descrito como um “alerta de atendimento” muito necessário aos governos em todo o mundo, as novas descobertas, que são cortesia dos cientistas da Comissão Européia, indicam que o clima extremo provavelmente se tornar uma causa cada vez maior de morte nas próximas décadas.

A mudança climática desenfreada trará, entre outras coisas, ondas de calor intensas, inundações, secas e incêndios florestais, bem como um aumento do número de pessoas que sofrem de fome e doenças infecciosas.

“Este é um forte aviso que mostra por que precisamos de uma ação maior sobre as mudanças climáticas rapidamente”, disse a ativista dos amigos da Terra, Donna Hume.

“Pessoas de todo o mundo já estão morrendo devido a eventos climáticos extremos e sem ação concertada isso vai piorar, inclusive aqui na Europa”.

O World Wildlife Fund (WWF) também advertiu sobre os perigos de ignorar as descobertas do relatório.

“A evidência continua se empilhando – a mudança climática deve ser uma das nossas principais preocupações com as políticas públicas”, disse o chefe de clima e energia Gareth Redmond-King.

“Este relatório reforça o que sabemos sobre os impactos e, a menos que abordemos o problema, isso irá prejudicar nossos sistemas de saúde e bem-estar e, em última instância, custar vidas”.

Foto: Os incêndios florestais são apenas uma das consequências do aumento das temperaturas globais.

Deixe seu comentário!