Cientistas encontram fósseis de 3,5 bilhões de anos

Descobertos na Austrália Ocidental, os micróbios fósseis são a evidência mais antiga da vida já identificada.

Até muito recentemente, os microfósseis tinham sido objeto de considerável controvérsia entre cientistas.

Enquanto alguns sustentavam há muito tempo que essas formas cilíndricas e semelhantes a fios eram micróbios fósseis, outras permaneceram inflexíveis que não eram mais do que formas naturais na rocha.

No entanto, o palqueobiologista Professor William Schopf e seus colegas colocaram o assunto em repouso de uma vez por todas, determinando a composição de carbono da rocha e identificando uma correlação entre a proporção dos isótopos de carbono e as formas semelhantes a micróbios contidas nela.

“As diferenças nos índices de isótopos de carbono se correlacionam com suas formas”, disse o co-líder do estudo, Prof John Valley. “Se não são biológicos, não há razão para tal correlação”.

Devido à complexidade relativa desses organismos fósseis, alguns cientistas especularam que a vida pode ter surgido em nosso planeta muito mais cedo do que se acredita geralmente.

Existe até prova de oceanos que precedem esses fósseis em até 800 milhões de anos.

“Não temos provas diretas de que a vida existisse há 4,3 bilhões de anos atrás, mas não há motivo para que não pudesse ter”, disse Professor Valley. “Isso é algo que todos gostaríamos de descobrir”.

Deixe seu comentário!