Cidade perdida questiona a existência do rei bíblico David

As ruínas de uma cidade que remonta a 3.000 anos reacenderam o debate sobre se o rei David realmente existiu.

A cidade, que foi descoberta na Judéia Sefelá ao leste das colinas de Hebron, é considerada por alguns arqueólogos como a cidade cananéia de Eglom.

A datação por radiocarbono realizada em amostras retiradas dos pisos e fundações do assentamento também confirmaram que as ruínas datam de 1000 aC – a época do rei bíblico Davi.

“Como os próprios escavadores confessam, isso não é evidência da existência de David”, disse Francesca Stavrakopoulou, professora de religião antiga da Universidade de Exeter.

“É a Bíblia que credita a Davi e Salomão a formação de um reino na terra de Canaã, não a arqueologia.”

A descoberta, no entanto, reacendeu o debate sobre se ele era ou não uma pessoa real.

“Nós, é claro, não encontramos nenhum artefato que dissesse ‘Rei Davi’ ou ‘Rei Salomão’, mas descobrimos no local sinais de uma transformação social pela qual a região passou”, disse o diretor de escavação Avraham Faust.

“Isso parece indicar que a inspiração ou a causa das transformações devem ser buscadas no altiplano. A associação com David não se baseia em nenhuma evidência arqueológica, mas apenas em circunstâncias circunstanciais.”

“Como a origem da mudança parece estar nas terras altas, e desde que ocorreu na época em que David deveria existir, a ligação é plausível”.

Deixe seu comentário!