Buraco enorme abre na camada de ozônio

Os cientistas relataram que um grande buraco apareceu acima do Ártico devido a temperaturas extraordinariamente baixas.

A camada de ozônio da Terra – que absorve uma grande quantidade da radiação ultravioleta prejudicial vinda do Sol – chegou às manchetes nos anos 80, quando foi descoberto que os CFCs (clorofluorocarbonetos) em sprays de cabelo, geladeiras, sistemas de ar condicionado e outros produtos estavam causando o problema. para emagrecer.


Felizmente, países de todo o mundo passaram a proibir esses produtos químicos, em um esforço para reduzir ou até reverter os danos que estavam causando e, na maioria das vezes, tiveram sucesso.

Isso não significa que a camada de ozônio ainda não esteja vulnerável.

Nesta semana, foi revelado que um buraco recorde havia se aberto acima do Ártico devido a um período de temperaturas anormalmente baixas na região polar norte.

Felizmente, a menos que se mude muito mais para o sul, é improvável que cause um risco aos seres humanos e espera-se que desapareça novamente nas próximas semanas.

“O buraco é principalmente uma curiosidade geofísica”, disse Vincent-Henri Peuch, do Serviço de Monitoramento de Atmosfera Copernicus.

“Monitoramos condições dinâmicas incomuns, que impulsionam o processo de depleção química do ozônio.

[Essas dinâmicas] permitiram temperaturas mais baixas e um vórtice mais estável do que o habitual sobre o Ártico, o que desencadeou a formação de nuvens polares estratosféricas e a destruição catalítica de ozônio.”

Os cientistas observaram que a aparência do buraco não está relacionada à redução das emissões de gases do efeito estufa devido ao bloqueio do coronavírus.

Ainda não está claro se é uma anormalidade causada pelas tendências atuais das mudanças climáticas.

Deixe seu comentário!