Brasil e Argentina quase entraram em conflito nuclear

No final dos anos 1970 e início dos anos 1980, os dois maiores países da América do Sul estavam à beira de uma corrida nuclear.

 Com uma rivalidade diplomática de longa data, eles agora estavam empenhados em desenvolver tecnologia nuclear sensível, incluindo enriquecimento e reprocessamento de urânio e construção de mísseis balísticos.


Para piorar a situação, os regimes militares governavam os dois países na época, e esse trabalho ocorreu com pouco ou nenhum escrutínio civil. 

As doutrinas de segurança nacional em ambos os países se identificaram como uma grande ameaça potencial à segurança, com as forças armadas tendo planos de contingência em caso de guerra.

No entanto, a partir da década de 1980, os dois países iniciaram um caminho ambicioso de cooperação nuclear. No processo, eles impuseram novas restrições a seus programas nucleares e reescreveram as doutrinas de segurança nacional para eliminar a possibilidade de guerra. 

Para surpresa de todos, eles também construíram um mecanismo de inspeções nucleares mútuas sem precedentes em qualquer lugar.

Isso preparou o cenário para o relacionamento bilateral de hoje, que – além de escaramuças ocasionais sobre o comércio ou no campo de futebol – é totalmente pacífico. 

De fato, a América do Sul como um todo está livre de conflitos interestatais, em parte devido ao sucesso dos dois países em aliviar as tensões durante aquela época.

Como tudo isso aconteceu?

Uma ameaça comum

Argentina e Brasil começaram a cooperar em questões nucleares em grande parte por causa das políticas do governo do presidente Jimmy Carter em 1977-1981. 

A Casa Branca estava tentando impedir a proliferação da tecnologia nuclear ao restringir as exportações de terceiros de tecnologias sensíveis, ao mesmo tempo em que pressionava contra as violações de direitos humanos perpetradas pelos regimes militares.

Tanto Buenos Aires quanto Brasília viam Carter como uma ameaça aos seus “direitos” nacionais ao desenvolvimento da tecnologia nuclear. 

E, crucialmente, eles achavam que as políticas americanas negando-lhes tecnologia eram ainda mais ameaçadoras do que os riscos emanados do programa nuclear do outro.

Agora sabemos que essa percepção fazia algum sentido. Afinal, em uma conferência de três dias em 2012 para explorar esse capítulo da história, documentos analisados ​​por um grupo de especialistas revelaram que nem o Brasil nem a Argentina estavam perto de desenvolver programas de armas nucleares completos. 

As agências de inteligência estrangeiras superestimaram suas realizações. Os documentos também mostram que nenhum país construiu seu programa nuclear principalmente como resposta a uma ameaça nuclear percebida do outro.
 

Confiança interpessoal

Documentos anteriormente secretos também indicam que, devido em parte à ameaça percebida de Washington, autoridades argentinas e brasileiras conseguiram estabelecer um alto grau de empatia e confiança nos mais altos níveis. 

Dois episódios em particular se destacam porque poderiam ter levado a uma séria deterioração no relacionamento, mas acabaram levando a uma maior cooperação nuclear.

A primeira foi em novembro de 1983, quando o governo argentino anunciou seu domínio da tecnologia de enriquecimento de urânio em um laboratório em escala piloto nas instalações secretas de Pilcaniyeu. 

O anúncio pegou as autoridades brasileiras de surpresa, e elas dobraram seus esforços para desenvolver a capacidade de enriquecimento de urânio na instalação de Aramar – o que eles conseguiram em 1987.

No entanto, antes de se tornarem públicos, as autoridades argentinas fizeram questão de alertar seus colegas brasileiros com antecedência. A junta governante enviou uma carta particular ao presidente militar do Brasil, João Figueiredo. 

O gesto foi bem recebido em Brasília. As autoridades brasileiras sabiam que a Argentina não tinha capacidade industrial para enriquecer urânio e, assim, desenvolver um explosivo nuclear.

Um mês após o anúncio de Pilcaniyeu, o governo civil retornou à Argentina e Raul Alfonsín tornou-se presidente. Alfonsín compreendeu o risco de Brasil e Argentina ficarem enredados em uma corrida armamentista nuclear e reconheceu que desviar recursos para uma competição militar inútil poderia arruinar seus planos para garantir a transição democrática da Argentina.

No início de 1984, o Brasil apresentou por meio de canais informais uma proposta de declaração conjunta de renúncia aos testes nucleares. 

A Argentina concordou e logo em seguida apresentou uma proposta para desenvolver um sistema de salvaguardas bilaterais e inspeções mútuas.

Ainda assim, ainda não havia garantia de que as tensões seriam totalmente dissipadas. Assim, quando o governo civil também retornou ao Brasil em 1985 e José Sarney se tornou presidente, os dois líderes começaram a trabalhar rapidamente para construir confiança. 

Quando se encontraram pela primeira vez, Alfonsín disse que queria visitar a Represa de Itaipu, que há mais de uma década está no centro de uma disputa bilateral pelo uso das águas internacionais na Bacia do Prata. 

Nessa mesma viagem, Alfonsín fez um gesto adicional de confiança ao convidar Sarney para visitar a instalação nuclear argentina de Pilcaniyeu. O novo espírito de reciprocidade exigia que Sarney estendesse a mesma cortesia a Alfonsín, que visitou Aramar em 1986.

Essas visitas simbólicas se transformaram em uma cooperação mais profunda e frequente entre cientistas e técnicos, incluindo visitas às instalações uns dos outros.

O segundo grande teste do relacionamento cooperativo veio em agosto de 1986, quando o jornal brasileiro Folha de São Paulo revelou dois grandes eixos na Serra do Cachimbo, no norte do Brasil. 

Segundo o jornal, os poços foram perfurados pela Força Aérea como locais de testes para explosões nucleares.

As autoridades argentinas ficaram surpresas com o vazamento e informaram o Brasil. Em Brasília, o governo agiu rapidamente para informar aos seus homólogos argentinos que os poços eram depósitos de resíduos nucleares semelhantes aos que a Argentina havia construído na Patagônia.

Em uma recente entrevista a um jornal, Sarney se orgulhava de como o relacionamento que conseguiu com Alfonsín ajudou a evitar uma crise maior. 

“Estabelecemos uma relação de confiança entre nós”, disse o ex-presidente. “O que vemos acontecendo agora com imensa dificuldade com o Irã, fizemos aqui na América do Sul sem mediação internacional.”

Deixe seu comentário!

You May Also Like