Baleias e golfinhos levam vidas quase humanas

Os cientistas ligaram o tamanho do cérebro de cetáceos à natureza “humana” por seus comportamentos sociais.

Enquanto a existência subaquática de golfinhos, baleias e outras espécies semelhantes podem parecer totalmente estranhas a nós, na realidade, há muito sobre a vida dessas criaturas que é surpreendentemente familiar.

Em um estudo recente, os cientistas compilaram uma lista de comportamentos em 90 espécies de baleias, golfinhos e marsôes e descobriram que, quanto maior o cérebro, mais “humanas” suas vidas eram.

A pesquisa aponta para o que é conhecido como a “hipótese do cérebro cultural”, o que sugere que a inteligência originalmente desenvolvida como uma forma de lidar com grupos sociais complexos.

Nos cetáceos, os comportamentos sociais comuns incluem a caça, o aprendizado da observação, o desenvolvimento de dialetos regionais e animais adultos com o trabalho de criar jovens.

Já está bem estabelecido que as baleias e os golfinhos tendem a aprender socialmente e não individualmente e os cientistas descobriram que quanto mais isoladas as espécies, menor é seu cérebro.

“É interessante pensar que a baleia e os cérebros humanos são diferentes em sua estrutura, mas nos levaram aos mesmos padrões de comportamento”, disse o biólogo Luke Rendell da Universidade de St. Andrews.

“A extensão de como isto é próximo dos seres humanos pode nos educar sobre forças evolutivas em geral”.

Deixe seu comentário!