Ataques sonoros cubanos se espalharam para a China?

Um funcionário do governo dos EUA que trabalha na cidade de Guangzhou teria experimentado sintomas semelhantes.

O fenômeno, que teve como alvo o pessoal da embaixada e provocou um colapso das relações internacionais entre Cuba e os Estados Unidos, foi divulgado pela primeira vez no ano passado.

Pensado para envolver o uso de armas sônicas, os ataques têm sido diretamente direcionados aos quartos de hotel dos diplomatas americanos e induziram uma variedade de sintomas que incluem perda auditiva, problemas de equilíbrio, queixas visuais, dor de cabeça, fadiga, problemas cognitivos e dificuldade para dormir.

Agora, um funcionário do governo dos EUA na China tem estado no centro de uma nova discussão sobre a questão depois de experimentar “sensações de som e pressão sutis e vagas, mas anormais”.

As novas alegações provocaram investigações de autoridades dos EUA e da China.

“A China já está conduzindo uma investigação cuidadosa e já demos o feedback preliminar dos EUA”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Lu Kang.

“Neste momento, ainda não encontramos nenhuma razão ou pista que leve à situação descrita pelos EUA.”

O jornal estatal Global Times, da China, pediu “objetividade” dos envolvidos.

“É completamente inconcebível que haja ataques contra estrangeiros, especialmente diplomatas, na China”, escreveu. “Um ataque sônico exige especialmente imaginação excepcional.”

Deixe seu comentário!