Asteroide da extinção causou um inverno de 18 meses

Os cientistas revelaram a imensa destruição do asteroide que eliminou os dinossauros.

A rocha espacial que atingiu nosso planeta há 65 milhões de anos provou ser tão devastadora que quase nada tenha conseguido sobreviver às condições apocalípticas que se seguiram.

O impacto em si, que teria matado todos os seres vivos por centenas de quilômetros quadrados, provocou grandes tsunamis, terremotos e erupções vulcânicas em todo o planeta.

Nuvens grossas de fumaça, poeira e cinzas cercaram o globo, apagando o Sol e provocando um longo período de escuridão gelado que teria durado até 18 meses.

Mesmo quando a poeira finalmente desceu e o Sol ressurgiu, o dano causado à camada de ozônio por reações químicas na atmosfera superior teria retirado do planeta a sua barreira protetora, expondo qualquer vida à radiação ultravioleta nociva.

Quando os efeitos do impacto do asteróide se estabeleceram, 80% da vida na Terra se extinguiu.

“A extinção de muitos dos grandes animais em terra poderia ter sido causada pelas conseqüências imediatas do impacto, mas os animais que viviam nos oceanos ou aqueles que podiam se enterrar ou entrar debaixo d’água podem ter sobrevivido”, disse o pesquisador Dr. Charles Bardeen .

“Nosso estudo retoma a história após os efeitos iniciais – após os terremotos e os tsunamis. Queríamos olhar para as conseqüências a longo prazo da fuligem que foi criada e quais poderiam ter sido as consequências para a animais que ficaram”.

Deixe uma resposta