As sociedades secretas que controlam o mundo

Desde a antiguidade, as sociedades secretas despertaram intrigas e teorias de conspiração. Numerosos eventos transcendentais são atribuídos aos debates e acordos desses grupos herméticos, envolvendo algumas das pessoas mais poderosas do mundo.

Illuminatis, Maçonaria, Cavaleiros Templários e os Sábios de Sião. As sociedades secretas que não são tão secretas, mas que mesmo assim controlam o mundo que conhecemos.

1. Os maçons.

A Maçonaria remonta a 1717, quando em Londres foi fundada a primeira loja maçônica. Maçom tornou-se sinônimo de apertos de mão secretos, rituais bizarros e hierarquia em que os membros se elevam através de vários níveis conforme você ganha experiência e respeito dentro da sociedade.

A maioria das sociedades secretas modernas foram inspiradas pela Maçonaria adotando seus apertos de mão, palavras-código, rituais particulares e complexas cadeias de comando.

2. Illuminatis.

Embora iluminados originalmente tenham se ramificado dos maçons em 1776, já desde a sua criação tornou-se o principal foco de teóricos da conspiração, muitos dos quais lhes atribuem eventos como a derrota de Napoleão, o assassinato de Kennedy ou a vitória de Barack Obama nas eleições presidenciais.

3. Skull and Bones.

É uma fraternidade universitária fundada na Universidade de Yale (Estados Unidos) em 1832. Os seus membros têm uma longa tradição que ocupa lugares influentes no mundo da política, da mídia, da diplomacia e dos serviços de inteligência.

Todos os anos, quinze novos membros idosos são selecionados. É comum que pertençam à mesma família, como é o caso dos ex-presidentes dos EUA George W. Bush e seu pai, George HW Bush.

O Skull and Bones se encontra em um edifício que eles chamam de ‘The Tomb’. Lá, um relógio antigo cinco minutos à frente sugere que seus membros estão um passo à frente do resto dos homens.

Existem muitas teorias de conspiração em torno deles: elas as ligam ao escândalo Watergate, ao comércio do ópio na China e até ao assassinato de John F. Kennedy.

4. Os Rosacruzes.

Fundada no início do século XV por Christian Rosenkreutz, a ordem de Rosacruz pretendido usar práticas ocultas para alcançar uma transformação global. Ganhou fama dois séculos mais tarde, com a publicação de três manifesto.

Segundo os teóricos da conspiração acreditam, os Rosacruzes fundaram os maçons, os illuminatis e o grupo de filósofos naturais do Colégio Invisível. Também são considerados como a força motriz por trás de cada grande revolução na história moderna.

5. Clube Bilderberg.

Desde a primeira reunião no Hotel Bilderberg (Holanda) em 1954, cerca de cem personalidades da política, economia, realeza e mídia se reúnem todos os anos em resorts de luxo na Europa ou América do Norte, sob condições herméticas segurança.

Embora se saiba quem participa, o conteúdo das reuniões anuais do Grupo Bilderberg é mantido em segredo rigoroso, dando origem a todo tipo de especulação.

Uma lenda sugere que ninguém pode entrar na Casa Branca sem primeiro atender a um dos seus conclaves: isso aconteceu com vários presidentes, de JF Kennedy a Barack Obama.

Os principais eventos globais como a reunificação alemã, a criação do euro e a abdicação do rei Juan Carlos em 2014 são atribuídos às reuniões deste grupo seleto.

6. Sábios de Sião.

Em 1920, um jornal de propriedade de Henry Ford publicou uma série de artigos que reimprimiam documentos antissemitas chamados “Os Protocolos dos Sábios de Sião”.

O documento foi rapidamente desacreditado como uma brincadeira, mas esses itens foram coletados em um livro intitulado “O Judeu Internacional”, que influenciou muito na disseminação global do antissemitismo, particularmente na formação da ideologia nazista.

Assim, Adolf Hitler foi influenciado pelo livro e apreendeu muitas de suas ideias. Teóricos antissemitas ainda acreditam que os protocolos eram genuínos e que havia uma conspiração judaica para dominar o mundo.

7. Os Cavaleiros Templários.

No início do século XII, nove cavaleiros fizeram um voto para proteger os peregrinos que viajam através da Terra Santa. Mais e mais cavaleiros juntaram-se e a organização cresceu acumulando riqueza, fama e poder.

Na cultura popular os cavaleiros assumiram o papel de doadores em muitas outras sociedades secretas, assim como de guardiões dos tesouros sagrados cristãos, como o Santo Graal ou o sangue de Jesus.

No entanto, os membros da sociedade acabaram sendo torturados e executados pelo rei francês Filipe IV, os senhores feudais e a Igreja Católica, com o que no início do século XIV a organização foi dissolvida.

8. Opus Dei.

É o nome com o qual a Sociedade Sacerdotal da Santa Cruz e a Obra de Deus é conhecida, fundada em 1928 pelo padre espanhol José Maria Escrivá de Balaguer. É um grupo seleto e hierárquico, organizado sob rígidas regras de disciplina religiosa e obediência.

O Opus Dei é considerado uma das instituições mais poderosas e ricas da Igreja Católica. Os seus laços estreitos com o Vaticano e, acima de tudo, com o poder político e financeiro global provocaram numerosas controvérsias e suspeitas.

Em 2006, a imagem negativa do Opus Dei publicada na popular novela de Dan Brown “The Da Vinci Code”, levou-os a fazer esforços para dissipar as lendas escuras que a rodeiam.

9. Bohemia Club.

Fundada em 1872, este clube privado de San Francisco (Estados Unidos) só admite homens. Embora originalmente consistisse apenas de jornalistas e artistas, as reuniões hoje influentes são líderes globais e empresários.

Todos os anos, o Bohemian Club se reúne em um acampamento de duas semanas na Floresta Redwood de Sonoma County. Lá eles realizam uma cerimônia única de cremação, que consiste simbolicamente em “queimar” as preocupações da vida.

Seu lema é uma frase de Shakespeare que diz: “As aracas de tecelagem não vêm aqui” e sugere que os problemas e negócios sejam deixados de fora.

Talvez não seja assim: muitos sugerem que o Projeto Manhattan (cujo objetivo final foi a criação da bomba atômica) tomou forma durante uma reunião do Clube, realizada em 1942.

Deixe uma resposta