Açúcar é tão viciante quanto a cocaína?

Um artigo sugerindo que o açúcar deve ser considerado uma substância viciante, e pode até mesmo estar em pé de igualdade com drogas abusivas, como a cocaína, provocou uma reação furiosa com especialistas descrevendo as alegações como “absurdas”.

Em uma revisão narrativa publicada no British Journal of Sports Medicine, os autores escrevem que o açúcar pode atuar como porta de entrada para o álcool e outras substâncias que causam dependência, acrescentando que o açúcar, como cocaína e ópio, é refinado a partir de plantas para produzir cristais brancos puros. processo que eles dizem “aumenta significativamente as suas propriedades viciantes”.

O artigo foi co-autoria do pesquisador cardiovascular James J DiNicolantonio e do cardiologista James H O’Keefe, ambos do Mid America Heart Institute de Saint Luke, no Kansas, junto com William Wilson – um médico da organização sem fins lucrativos norte-americana Lahey Health .

“Consumir açúcar produz efeitos semelhantes aos da cocaína, alterando o humor, possivelmente por sua capacidade de induzir recompensa e prazer, levando à busca de açúcar”, escrevem, citando estudos com roedores que mostram que a doçura é preferida até mesmo à cocaína. que os ratos podem experimentar a retirada de açúcar.

“Em animais, na verdade é mais viciante do que cocaína, então o açúcar é provavelmente a substância viciante mais consumida em todo o mundo e está causando estragos em nossa saúde”, diz DiNicolantonio.

Os autores também apontam para paralelos entre o efeito da cocaína e do açúcar no cérebro, apontando que ambos interagem com o mesmo sistema de recompensa.

Mas Ziauddeen disse que não foi surpreendente. “A realidade é que simplesmente o sistema de recompensas do cérebro e os circuitos que controlam o comportamento alimentar são os mesmos que respondem às drogas de abuso”, disse ele. 

Mas, acrescentou ele, ao contrário do açúcar, “drogas de abuso parecem sequestrar esses sistemas e desligar seus controles normais”.

Tom Sanders, professor emérito de nutrição e dietética do King’s College, em Londres, disse que era “absurdo sugerir que o açúcar é viciante como drogas pesadas”.

“Embora seja verdade que um gosto por coisas doces pode ser viciante, não é viciante como opiáceos ou cocaína”, disse Sanders. “As pessoas não apresentam sintomas de abstinência quando cortam a ingestão de açúcar”.

No entanto, DiNicolantonio disse que, embora o consumo de açúcar em humanos não levasse a sinais físicos de abstinência, havia sinais bioquímicos de abstinência no cérebro – um ponto contestado por Ziauddeen.

Deixe seu comentário!