A origem do negacionismo e os impactos na pandemia da Covid-19

O negacionismo histórico, também chamado de negacionismo, é a falsificação ou distorção do registro histórico.

Não deve ser confundido com revisionismo histórico, um termo mais amplo que se estende a reinterpretações acadêmicas da história recentemente evidenciadas e razoavelmente fundamentadas.

Ao tentar revisar o passado, o revisionismo histórico ilegítimo pode usar técnicas inadmissíveis no discurso histórico adequado, como apresentar documentos falsificados conhecidos como genuínos, inventar razões engenhosas mas implausíveis para desconfiar de documentos genuínos, atribuir conclusões a livros e fontes que relatam o contrário, manipular séries estatísticas para apoiar o ponto de vista dado e textos deliberadamente mal traduzidos.

Alguns países, como a Alemanha, criminalizaram a revisão negacionista de certos acontecimentos históricos, enquanto outros adotam uma postura mais cautelosa por diversos motivos, como proteção à liberdade de expressão; outros exigem visões negacionistas, como a Califórnia e o Japão, onde crianças em idade escolar são explicitamente impedidas de aprender sobre o genocídio da Califórnia e os crimes de guerra japoneses, respectivamente.

Alguns negacionistas históricos notáveis ​​incluem Arthur Butz, David Irving e Shinzo Abe. Na literatura, as consequências do negacionismo histórico foram retratadas imaginativamente em algumas obras de ficção, como Nineteen Eighty-Four, de George Orwell.

Nos tempos modernos, o negacionismo pode se espalhar por meio de novas mídias, como a Internet .

Origem do termo

O termo negacionismo foi cunhado pela primeira vez pelo historiador francês Henry Rousso em seu livro de 1987 A Síndrome de Vichy, que olhou para a memória popular francesa da França de Vichy e da Resistência Francesa . Rousso postulou que era necessário distinguir entre o revisionismo histórico legítimo nos estudos do Holocausto e a negação politicamente motivada do Holocausto, que ele denominou de negacionismo.

Objetivos

Normalmente, o propósito da negação histórica é alcançar um objetivo político nacional, transferindo a culpa da guerra, demonizando um inimigo, proporcionando uma ilusão de vitória ou preservando uma amizade.

Às vezes, o propósito de uma história revisada é vender mais livros ou atrair a atenção com uma manchete de jornal. O historiador James M. McPherson disse que os negacionistas gostariam que a história revisionista fosse entendida como “uma interpretação conscientemente falsificada ou distorcida do passado para servir a propósitos partidários ou ideológicos no presente”.

O negacionismo aplica as técnicas de pesquisa, citação e apresentação para enganar o leitor e negar o registro histórico. Em apoio à perspectiva da “história revisada”, o historiador negacionista usa documentos falsos como fontes genuínas, apresenta razões ilusórias para desconfiar de documentos genuínos, explora opiniões publicadas citando fora do contexto histórico, manipula estatísticas e traduz mal textos em outras línguas.

A história revisada é usada para negar a validade do registro factual, documental, e assim reformular as explicações e percepções do evento histórico discutido, para enganar o leitor, o ouvinte e o espectador; portanto, o negacionismo histórico funciona como uma técnica de propaganda.

Ao invés de submeter seus trabalhos para revisão por pares , os historiadores negacionistas reescrevem a história e usam falácias lógicas para construir argumentos que irão obter os resultados desejados, uma “história revisada” que sustenta uma agenda – política, ideológica, religiosa, etc.

Negacionismo na pandemia da Covid

O crescimento da pandemia de COVID-19 foi acompanhado pela infodemia. Ou seja, por um aumento correspondente na produção e interesse por notícias e informações que possam fornecer pontos de referência e compreensão sobre essa nova e inquietante situação, que abalou os sistemas econômicos e de saúde e o cotidiano de milhões de pessoas.

De fato, como o psicólogo social Serge Moscovici argumenta, quando entramos em contato com uma ideia, objeto ou fenômeno que ainda não conhecemos, ou que conhecemos insuficientemente, e que nos intriga, sentimos a necessidade de compreendê-lo, colocá-lo em um contexto familiar. Essa realidade até então estranha é, assim, representada de acordo com nossos sistemas de referências anteriores – ideias, crenças e formas de comunicação.

As informações, opiniões e interpretações elaboradas e comunicadas sobre a pandemia de COVID-19 foram bastante numerosas, diversificadas e até contraditórias entre si, envolvendo tanto públicos especializados (pesquisadores da área da saúde, comunicação, cientistas sociais, entre outros ), bem como o público leigo. Além disso, eles abordaram diferentes aspectos da pandemia, como a origem do Sars-CoV-2, tratamentos com COVID-19 e medidas de saúde pública apropriadas para limitar a propagação da doença.

A referida variedade de interpretações que circularam sobre a pandemia pode ser retratada, para fins analíticos, por meio de um contínuo de posições que se situam entre dois extremos: de um lado, o polo científico e, de outro, o polo negacionista.

Do lado científico, temos perspectivas baseadas no conhecimento, que tendem a se caracterizar por um certo consenso interno na comunidade científica e por uma autoridade em relação às fontes de informação. Nesta estrutura, temos um corpo de conhecimento que segue os princípios de publicidade, reprodutibilidade e controlabilidade.

Nesse sentido, de modo geral, pelas pesquisas realizadas até o momento, a COVID-19 é conhecida e relatada como uma doença com espectro clínico que varia desde infecções assintomáticas até quadros respiratórios graves e pneumonia; altamente transmissível, seja por gotículas de saliva, espirro, tosse e catarro, seja por contato direto com pessoas infectadas, superfícies contaminadas e por aerossol.

Uma doença para a qual, até o final de 2020, não haviam medicamentos específicos (nem tratamento precoce). No entanto, o desenvolvimento de vacinas seguras e eficazes progrediu significativamente. A prevenção da infecção por COVID-19 exige a adoção de medidas não farmacológicas, como uso de máscaras, higienização das mãos e distanciamento físico. O sucesso dessas medidas depende da adesão e mudança comportamental de indivíduos e sociedades.

Perspectivas que se situam no espectro negacionista, por sua vez, geralmente estão ligadas a uma crença em informações falsas e teorias da conspiração. São perspectivas marcadas, em maior ou menor grau, por uma contraposição ou rejeição de argumentos, em geral, aceitos no campo científico.

Nesse contexto, a COVID-19 é aproximadamente comparada à influenza (gripe), que não exigiria medidas como uso de máscaras, restrição de circulação de pessoas ou redução de determinadas atividades sociais e/ou econômicas. Além disso, o uso indiscriminado de medicamentos específicos para um chamado “tratamento precoce” da COVID é enfatizado nessa narrativa negacionista.

As perspectivas negacionistas sobre o COVID-19 estão dentro de uma corrente anticientífica e anti-histórica mais ampla dentro da qual também podemos encontrar, por exemplo, o movimento Terra Plana, o movimento antivacina e aqueles que rejeitam o holocausto. A disseminação desses discursos caracteriza um fenômeno cultural que não é novo e tem raízes psicológicas, sociais e políticas.

O pano de fundo que nos permite compreender a disseminação dos discursos negacionistas e os conteúdos inverídicos que os sustentam caracteriza-se por uma crise de confiança na autoridade e legitimidade dos sistemas oficiais de produção e disseminação de informação e conhecimento, denominados24sistemas especialistas por Giddens. A descrença nessas instituições, então, tem como contrapartida a valorização do conhecimento de fontes alternativas.

Nesse contexto, ganham relevância certos discursos e conteúdos que disputam espaço com os oficiais. A nova mídia social desempenha um papel importante na divulgação desses conteúdos alternativos, pois permite que eles sejam compartilhados de forma simples, rápida e abrangente.

As características das mídias sociais que permitem a fácil circulação de informações falsas são variadas. Qualquer pessoa se torne produtora e/ou divulgadora de conteúdo, sem nenhum controle sobre a qualidade do que é compartilhado. Além disso, como ressaltado anteriormente, esses conteúdos tendem a circular em grupos de afinidade caracterizados por fortes relações de confiança, conseguindo despertar sentimentos e adaptar-se a crenças e valores anteriores.

Assim, as características de funcionamento das novas mídias sociais, aliadas à crise de confiança nas instituições oficiais de produção e disseminação de informação e conhecimento, formam um terreno fértil para a divulgação de notícias inverídicas e teses conspiratórias que sustentam amplamente as perspectivas negacionistas sobre a pandemia de COVID-19.

Assim, em alguns países, como é o caso do Brasil, discursos diferentes e antagônicos sobre a atual pandemia disputam espaço no debate público. Esse desalinhamento entre as diversas perspectivas certamente compromete o enfrentamento da crise sanitária, na medida em que a população passa a receber diferentes orientações e modelos sobre o comportamento adequado diante da situação.

Esse cenário pode se tornar ainda mais preocupante quando a descrença na ciência e em outras instituições marca os discursos e ações de alguns representantes políticos.

Um exemplo é o caso do atual presidente Jair Bolsonaro e outras autoridades políticas de seu governo que negaram repetidamente a gravidade da COVID-19 e criticaram as medidas de mitigação da pandemia adotadas por prefeitos e governadores. Como sabemos, a legitimidade e autoridade que esses representantes políticos possuem é certamente um fator de convencimento para a população.

Assim, certos discursos podem ser seguidos por parte da sociedade não porque transmitem uma imagem credível sobre a pandemia, mas porque se alinham com posições políticas e ideológicas anteriores.

De fato, se a representação sobre a crise sanitária depende em parte de orientações valorativas e ideológicas – em detrimento do conteúdo factual de fontes autorizadas – há uma descoordenação de medidas e a absoluta falta de governança da crise em suas diferentes dimensões.

Deixe seu comentário!