A história de Bernhard Goetz – a vítima de assalto que virou o ‘vigilante do metrô’ de Nova York

Bernhard Goetz fez história quando atirou em quatro homens negros que tentaram roubá-lo e abriu a porta para um debate nacional sobre raça, crime e quanta força os vigilantes civis têm.

No início da tarde de 22 de dezembro de 1984, no sétimo vagão de um vagão de metrô com dez vagões, duas mulheres estavam sentadas no banco perto da porta, ao lado de um homem de paletó comprido.


Um homem de jaqueta azul estava sentado em frente a eles, enquanto o resto do banco era ocupado por um homem deitado.

Dois outros homens estavam sentados no final do trem, perto da cabine do condutor.

Ao longo de várias paradas, o número de passageiros flutuou, mas quando o trem deixou a 14ª estação de rua, cerca de 15 ou 20 passageiros estavam no carro.

De repente, cinco dos homens se agruparam. Houve uma rápida briga e, em seguida, na frente do vagão, um homem abriu fogo contra quatro dos outros.

O homem era Bernhard Goetz, um homem que ganhou as manchetes que dizia ter se defendido contra supostos assaltantes em um vagão do metrô na cidade de Nova York.

Suas ações estimulariam uma série de debates sobre raça e crime, os limites da autodefesa e até que ponto os civis poderiam confiar na polícia para se proteger.

Para entender as ações de Bernhard Goetz naquele dia, é preciso voltar vários anos antes, quando se viu assaltado pela primeira vez.

Em 1981, Goetz foi atacado na estação de metrô de Canal Street por três jovens que, segundo ele, estavam tentando roubá-lo.

Eles o jogaram através de uma porta de vidro e no chão, ferindo permanentemente o peito e o joelho.

Apesar dos ferimentos, ele foi capaz de ajudar um policial a prender um dos homens. Infelizmente, o homem só foi acusado de travessuras criminais.

Goetz estava irritado e ressentido com o fato de os outros terem escapado, e aquele que mal o assolando permanentemente.

Movido por sua raiva, Goetz solicitou uma licença de porte de arma. Ele argumentou que, como costumava carregar equipamentos valiosos e grandes somas em dinheiro pelo trabalho, ele era alvo de assalto.

Seu pedido foi negado, mas isso não o impediu. Alguns meses depois, Bernhard Goetz comprou um revólver Smith & Wesson Bodyguard de 5 tiros, calibre 38 e calibre 38, enquanto viajava para a Flórida.

Foi esta arma não registrada que foi usada no tiroteio no metrô de 1984.

Segundo Goetz, na tarde de 22 de dezembro, ele entrou em um vagão cheio de metrô na 14ª estação. Ele entrou pela traseira do carro e sentou-se em um dos bancos.

Nesse ponto, ele diz, quatro homens negros o abordaram. Os homens em questão eram Barry Allen, Troy Canty, Darrel Cabey e James Ramseur, todos adolescentes do Bronx, que estavam no trem quando ele entrou.

A versão dos eventos difere entre as recontagens e varia de acordo com quem está realizando as recontagens.

Canty e Ramseur alegaram que estavam em conflito e perguntaram a Goetz se ele tinha cinco dólares, enquanto Goetz afirmou que eles o encurralaram e exigiram dinheiro.

Allen solicitou a Quinta Emenda da constituição americana quando questionado sobre as circunstâncias.

Depois que ele se recusou a pagar, Goetz abriu fogo, disparando cinco tiros contra os homens.

Mais uma vez, a sequência de eventos muda dependendo de quem a conta, embora cada recontagem termine com cada um dos homens sendo baleados.

Goetz alega que cada homem foi baleado uma vez, e que um tiro errou, enquanto os adolescentes alegaram que cada homem foi baleado, mas que Cabey foi baleado duas vezes.

Após o tiroteio, Bernhard Goetz fugiu. Ele foi perguntado se ele era um policial e se ele tinha ou não uma permissão para o revólver.

Quando o condutor pediu para ele se entregar a polícia, Goetz pulou nos trilhos e correu pelos túneis do metrô até a estação de Chambers Street.

Ele foi para casa momentaneamente, depois alugou um carro e dirigiu para Vermont. Por vários dias, ele se mudou pela Nova Inglaterra, ficando em motéis e pagando em dinheiro pelas coisas.

Em Nova York, ele foi identificado como suspeito, e uma caçada humana estava em andamento. Eventualmente, ele se entregou, em uma delegacia de polícia em Concord, New Hampshire, afirmando simplesmente : “Eu sou a pessoa que eles estão procurando em Nova York”.

A polícia escolta Bernhard Goetz para fora de um tribunal de Nova York após uma audiência em sua tentativa de assassinato.

Após sua prisão, Bernhard Goetz deu uma entrevista em vídeo de duas horas com a polícia. Ele descreveu ter sido assaltado no passado e os eventos que levaram à sua rendição.

Ele expressou o desejo de matá-los novamente, e uma necessidade insaciável de vingança contra aqueles que o haviam prejudicado. As fitas foram tocadas pelo júri durante seu julgamento.

Apesar de ter descrito querer arrancar os olhos de Canty com as chaves, ele só cumpriu oito meses de prisão.

Depois que suas ações lhe trouxeram status de celebridade, ele se tornou um herói nacional da justiça vigilante.

Adesivos em vidros com slogans como “Ride with Bernie – he Goetz ‘em!” estavam por toda Nova York, e as pessoas o elogiavam por se posicionar contra a cidade cheia de crimes.

Ainda mais chocante do que o apoio foi o fato de que, a partir de 1990, a taxa de criminalidade em Nova York diminuiu rapidamente.

Uma das cidades mais perigosas do país logo se tornou uma das mais seguras, e os apoiadores de Goetz não puderam deixar de atribuí-la ao seu herói.

A partir de 2014, Bernhard Goetz ainda vive no mesmo apartamento da Union Square em que morava naquele fatídico dia de dezembro e ainda é um defensor da justiça dos vigilantes, embora ele não esteja tão envolvido pessoalmente em promulgá-lo quanto antes.

Ele agora passa seu tempo cuidando de esquilos em um cemitério próximo e defendendo a legalização da maconha.

Deixe seu comentário!