A árvore mais antiga da Europa

Sentado no topo de um penhasco rochoso no Parque Nacional Pollino, na Itália, está a árvore mais antiga da Europa.

Para os olhos não treinados, a planta parece morta, mas na verdade é bastante viva e saudável. 


De fato, considerando que a árvore tem 1.230 anos, parece muito, muito boa.

Cientistas da Universita Della Tusoa, na Itália, estudam a árvore há alguns anos, mas não foi até 2018 que publicaram os resultados de suas análises, mostrando sua idade recorde.

Italus, como os cientistas italianos chamam, é um pinheiro de Heldreich. 

Essas árvores são encontradas em todo o Mediterrâneo, especialmente nos Balcãs. De fato, a segunda árvore mais antiga da Europa também é um pinheiro de Heldreich. Chamada Adonis, esta árvore tem 1.075 anos e vive na Grécia.

Tão antigas quanto essas árvores, no entanto, elas não são nem de longe tão antigas quanto os recordistas mundiais. 

As árvores mais antigas do mundo vivem nos estados da Califórnia e Nevada, e estão fortes há mais de 5.000 anos.

Ainda assim, o Italus não é apenas muito mais velho que a pessoa comum que está lendo este artigo, é muito mais antigo que a árvore comum. 

No hemisfério norte, as árvores geralmente não vivem muito mais do que 300 a 400 anos.

Anéis de contagem

Determinar a idade de Italus não era tão simples, no entanto. Primeiro, os pesquisadores usaram um método chamado dendrocronologia, que é a maneira padrão de datar árvores. 

Envolve coletar uma amostra da base da árvore e contar o número de anéis do centro. Cada anel representa um ano de crescimento da árvore.

Os pesquisadores tiraram uma amostra de Italus, mas só foi útil até certo ponto, já que Italus é oco no meio. 

Ainda assim, essa amostra principal disse a eles que Italus tinha pelo menos 1.062 anos de idade. Para determinar o quanto a árvore era mais antiga, eles coletaram amostras adicionais de suas raízes. 

Essas amostras foram analisadas usando datação por radiocarbono e ajudaram os pesquisadores a concluir que Italus era a árvore viva mais antiga da Europa.

Por mais impressionantes que sejam as idades de Italus e Adonis, talvez não fique claro imediatamente qual é a importância científica de sua longevidade. 

Estudar anéis de árvores pode dizer aos cientistas uma série de coisas interessantes sobre o mundo natural.

Por exemplo, pesquisas sobre a longevidade das árvores podem ajudar os cientistas a entender melhor como os ecossistemas serão afetados pelo aquecimento global e permitir que eles desenvolvam políticas melhores para a conservação das florestas. 

Isso ocorre porque os anéis das árvores podem fornecer aos cientistas informações úteis sobre as taxas de crescimento, que por sua vez ajudam os cientistas a entender como as secas afetam a vida das plantas. 

Este estudo é um exemplo dos avanços da ciência na medição do crescimento de árvores e, portanto, é um passo positivo em direção a uma melhor política ambiental.

Deixe seu comentário!