750 milhões de mosquitos geneticamente modificados serão liberados na Flórida (EUA)

A liberação experimental de milhões de mosquitos geneticamente modificados recebeu luz verde.

O esforço questionável, que vai colocar cerca de 750 milhões de insetos soltos no estado americano da Flórida, foi condenado por grupos ambientalistas como um ‘experimento Jurassic Park’.


Os insetos, que foram criados pela empresa britânica de biotecnologia Oxitec, foram projetados para ajudar a reduzir a população de mosquitos no estado e, assim, reduzir o risco de propagação de doenças mortais como o vírus do Nilo Ocidental e a encefalite de St. Louis.

A chave do experimento consiste em fazer com que os mosquitos carreguem uma certa proteína que, quando transmitida à prole feminina, será letal. 

Apenas as fêmeas de mosquitos picam de fato, então, ao reduzir seletivamente seu número, os cientistas esperam que a disseminação da doença também seja drasticamente reduzida.

Com a liberação dos insetos agora com luz verde pelas autoridades locais, o experimento começará em 2021.

Os mosquitos serão soltos em Florida Keys.

“A liberação de mosquitos geneticamente modificados colocará desnecessariamente os habitantes da Flórida, o meio ambiente e as espécies ameaçadas em risco no meio de uma pandemia”, disse o grupo ambientalista Friends of the Earth em um comunicado em resposta à notícia.

A Oxitec, por sua vez, argumenta que não há risco e que esta não é a primeira experiência desse tipo.

“Nós liberamos mais de um bilhão de nossos mosquitos ao longo dos anos”, disse um cientista. “Não há risco potencial para o meio ambiente ou para os humanos.”

Deixe seu comentário!